Ato em defesa do Hospital da Criança reúne 500 pessoas

Cerca de 500 pessoas participaram, nesta quinta-feira (18), do ato em defesa da permanência do Instituto do Câncer Infantil e Medicina Especializada (Icipe) à frente da administração do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB).

Com um abraço simbólico na unidade hospitalar, servidores públicos, autoridades, funcionários do hospital,  familiares de pacientes e representantes de entidades organizadas da sociedade civil  protestaram contra a decisão judicial que determina a transferência da gestão do hospital para o Governo de Brasília.

“Estamos unidos defendendo um projeto que foi construído com o esforço de toda a sociedade, liderado pela Abrace e que hoje tem uma gestão reconhecida internacionalmente pela maior autoridade de saúde, que colocou a unidade como um exemplo a ser seguido pelo mundo”, defendeu o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, referindo-se ao diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, que, em recente visita, não poupou elogios ao HCB.

O chefe do Executivo local enfatizou que o Icipe precisa continuar, principalmente, para a ampliação do Bloco 2, que terá 202 leitos e contribuirá para o atendimento de mais crianças.

“Esse é um hospital 100% público e gratuito. Hoje, não há nenhuma instituição no Distrito Federal com capacidade para fazer essa gestão de qualidade. Não devemos mexer em time que está ganhando”, argumentou.

Para tentar reverter essa situação, representantes do Icipe e do Governo de Brasília apresentarão, na próxima terça-feira (24), à 6ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), argumentos que justificam a continuidade do modelo hoje em prática.  A previsão é de que o Ministério Público também participe da Audiência de Conciliação.

“Essa é uma ação de improbidade, mas que não tem base em nenhuma acusação de desonestidade. Foram alegadas ações formais sobre o primeiro contrato de 2011 que já foram superadas, inclusive pelo Tribunal de Contas. O que existe é uma tentativa de dificultar a ação do Icipe e não vamos permitir que isso aconteça”, defendeu o secretário de Saúde, Humberto Fonseca.

Segundo ele, o Icipe trabalha com transparência e presta contas regularmente. “As contas de 2011, 2012 e 2013 foram aprovadas pelo Tribunal de Contas. As de 2014, 2015 e 2016 já foram enviadas com recomendação de aprovação pela Controladoria. Não temos nenhuma dúvida de que essa é uma instituição correta”, sustentou.

A ex-presidente da Abrace Ilda Peliz, atual secretária do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, foi uma das fundadoras do Hospital da Criança.

“Eu perdi uma filha em 1994, aos dois anos de idade, para um tumor no sistema nervoso central. Transformei meu luto em luta. Levantei a bandeira e me uni a um grupo de médicos, Abrace e pais para construir esse hospital. Hoje, é muito triste saber que essa unidade pode perder o significado”, lamentou.

Márcio Sandro Alves e Ana Maria Batista Alves, pais de Eduardo Augusto Alves Batista, que hoje tem 10 anos, sabem da importância do Hospital da Criança.

“Aos quatro anos, meu filho foi diagnosticado com leucemia. Desde então, foram três anos e meio de tratamento. Hoje meu filho está curado. Todo o tratamento foi no Hospital da Criança. Sem esse suporte, talvez meu filho não estivesse mais aqui”, contou a mãe.

Também participaram do evento, entre outras autoridades, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), Juliano Costa Couto e o presidente da Câmara Legislativa do DF, Joe Valle.

DADOS – Ao longo dos seis anos e meio de funcionamento, a unidade realizou mais de 2,7 milhões de atendimentos para crianças com câncer e outras patologias de tratamento de alta complexidade. O hospital também alcançou 98,8% de satisfação dos usuários pelo alto padrão de atendimento.

TEXTO: Ailane Silva, da Agência Saúde

Foto: Matheus Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *