[CE]-Vacinação deve manter Ceará livre do sarampo, apesar de doença avançar no mundo

Com uma estratégia de enfrentamento da epidemia, iniciada em dezembro de 2013, que se tornou referência internacional, o Ceará foi declarado livre do sarampo em 2016, após o fim da transmissão do vírus, anunciado em 24 de setembro de 2015. O Ceará continua livre do sarampo, mas a ameaça a essa condição se aproxima com o recrudescimento da doença no mundo e o seu avanço no estado de Roraima, com 40 casos confirmados, e no Amazonas, quatro casos em Manaus. “Não podemos permitir que o sarampo volte ao Ceará”, convoca a coordenadora estadual de imunizações, Ana Vilma Leite Braga. “Vamos vacinar e manter uma vigilância ativa e oportuna, detectando casos suspeitos o mais precocemente possível”, recomenda.

As vacinas de rotina estão disponíveis em todos os municípios e permitem a prevenção, o controle, a eliminação e a erradicação das doenças imunopreveníveis. A população deve permanecer alerta para a atualização do cartão de vacinação. A vacina Tríplice Viral protege contra o sarampo, caxumba e rubéola e é indicada para vacinação da população a partir dos 12 meses até 49 anos de idade. A Tetra Viral, que protege contra o sarampo, caxumba, rubéola e varicela, é indicada para a vacinação de crianças com 15 meses de idade que já tenham recebido a primeira dose da vacina tríplice viral (boletim_exantematica_20_03_2018).

A Cobertura Vacinal estima a proporção da população alvo vacinada e supostamente protegida para determinadas doenças. Segundo o Ministério da Saúde, é considerada adequada quando, no mínimo, 95% da população alvo encontram-se vacinada. Esta meta de Cobertura Vacinal aplica-se para as vacinas tríplice viral, tetra viral e varicela. O Ministério da Saúde ainda recomenda o cálculo de homogeneidade de Cobertura Vacinal para avaliar as estratégias de imunização contra as doenças imunopreveníveis. No Estado, o parâmetro estabelecido para este indicador é que, no mínimo, 70% dos municípios apresentem Cobertura Vacinal adequada.

A experiência do Ceará no enfrentamento da epidemia de sarampo entre 2013 e 2015 valeu à Secretaria da Saúde do Estado o convite do Ministério da Saúde para o apoio às ações de prevenção e controle da doença em Roraima. Durante o mês de março, a coordenadora estadual de imunizações Ana Vilma Leite e a técnica Ana Karine Borges Carneiro estiveram em Roraima para colaborar com a equipe da Secretaria da Saúde daquele estado.

Sarampo no mundo

Atualmente, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os países do continente europeu e africano registram o maior número de casos da doença. Em um ano, o número de casos da doença no continente europeu aumentou 300%, saindo de 5.273 em 2016 para 21.315 em 2017. Romênia, Itália, Ucrânia, Grécia e Alemanha são os países mais atingidos. Na região das Américas, em 2017 foram notificados 272 casos na Argentina (3 casos), Canadá (45 casos), Estados Unidos de América (120 casos) e Venezuela (104). Países da África e da Ásia também relataram surtos de sarampo entre 2016 e 2017.

A circulação do vírus no Brasil deve ser interrompida o mais rapidamente possível, a fim de manter eliminada essa enfermidade do país. Para tanto, as ações de vigilância epidemiológica, laboratorial e de imunizações são imprescindíveis para interromper a circulação do vírus. Os municípios devem informar semanalmente ao Estado se houve ou não casos suspeitos em suas unidades, realizar busca ativa mensal e acompanhar as coberturas vacinais da tríplice viral. O objetivo é desencadear as medidas de prevenção e controle de novos casos e a identificação desses casos de maneira imediata.

Em março de 2018, a coordenadora de Promoção e Proteção da Saúde (Coprom) da Sesa, Daniele Queiroz, participou de evento no Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), nos Estados Unidos. Na ocasião, foi apresentada a estratégia adotada no Ceará para o enfrentamento ao surto de sarampo em 2015

Fonte: Assessoria de Comunicação da Sesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *