[SP]-CRT/ AIDS oferece teste rápido de Sífilis

Doença sexualmente transmissível (DST), Sífilis é causada pela bactéria Treponema e é conhecida por ser um “mal silencioso”, exigindo atenção e cuidado aos sintomas. Muitas pessoas ainda desconhecem as consequências do Sífilis. “Uns dias após o contágio, vai surgir uma ferida no pênis, na vagina, no ânus ou na boca. Muitas vezes a gente nem considera e nem imagina que possa ser uma Sífilis. Com o tempo, se ela não for tratada, pode trazer sérios problemas para a pessoa, como levar à cegueira, problemas neurológicos e outras questões”, Tânia Regina Corrêa de Souza, da Assistência e Prevenção do CRT.

Os testes são gratuitos e ficam prontos em até 20 minutos. “O teste é rápido e as formas de tratamento são injeções de penicilina benzatina, dependendo do estágio da doença. As pessoas, em qualquer situação, podem procurar o serviço mais próximo da sua residência ou até mesmo no Centro de Referência na Rua Santa Cruz, 81, e solicitar o exame de Sífilis”, afirma Tânia.

A Sífilis Congênita, que é a transmissão da bactéria de mãe para o filho, também apresenta números elevados. De 1986 a 2016, foram 28.121 casos. Como consequência, a doença pode causar

Doença sexualmente transmissível (DST), Sífilis é causada pela bactéria Treponema e é conhecida por ser um “mal silencioso”, exigindo atenção e cuidado aos sintomas. Muitas pessoas ainda desconhecem as consequências do Sífilis. “Uns dias após o contágio, vai surgir uma ferida no pênis, na vagina, no ânus ou na boca. Muitas vezes a gente nem considera e nem imagina que possa ser uma Sífilis. Com o tempo, se ela não for tratada, pode trazer sérios problemas para a pessoa, como levar à cegueira, problemas neurológicos e outras questões”, Tânia Regina Corrêa de Souza, da Assistência e Prevenção do CRT.

Os testes são gratuitos e ficam prontos em até 20 minutos. “O teste é rápido e as formas de tratamento são injeções de penicilina benzatina, dependendo do estágio da doença. As pessoas, em qualquer situação, podem procurar o serviço mais próximo da sua residência ou até mesmo no Centro de Referência na Rua Santa Cruz, 81, e solicitar o exame de Sífilis”, afirma Tânia.

A Sífilis Congênita, que é a transmissão da bactéria de mãe para o filho, também apresenta números elevados. De 1986 a 2016, foram 28.121 casos. Como consequência, a doença pode causar má-formação do feto, além de aborto e morte do bebê. Dessa forma, é importante que o teste seja feito para detectar a sífilis durante o pré-natal e, quando o resultado é positivo, tratar imediatamente tanto a mulher quanto o parceiro.

“Cada etapa do processo na linha de cuidado da gestante, especialmente na atenção pré-natal, deve ser rigorosamente cumprida. É fundamental a ampla cobertura na oferta de testes para sífilis e retorno dos resultados em tempo hábil, tratamento adequado para gestante e parceiro sexual, orientação para prática sexual segura e planejamento reprodutivo”, afirma Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual DST/ Aids-SP.

“Estamos convivendo hoje com uma epidemia de Sífilis tanto em homens quanto mulheres. Como consequência, temos um número de mulheres muito grande e crianças que estão nascendo com Sífilis. A doença é facilmente diagnosticável, facilmente tratável e não tem motivo para não procurar ajuda médica”, afirma David Uip, Secretário de Saúde do Estado de São Paulo.

No dia 23 de fevereiro de 2018, o Ministério da Saúde anunciou a distribuição para todos os estados e o Distrito Federal de 526 mil frascos-ampola de penicilina benzatina para o tratamento da sífilis adquirida e em gestantes mais parceiros, além de 116 mil da penicilina cristalina ou potássica para o tratamento a sífilis congênita em bebês.

A distribuição foi programada para o mês de março e elaborada com base na consulta nacional de necessidade de cada estado. Serão comprados, no total, 2,85 milhões da penicilina benzatina (sendo 2,4 milhões da apresentação 1.200.000 UI) – e 450 mil da cristalina ou potássica de 5.000.000 UI, para o abastecimento da rede pública de saúde até o primeiro trimestre de 2019.

“É uma compra difícil de fazer, que segue logística delicada, que requer o cumprimento de uma série de exigências técnicas, mas o Brasil conseguiu superar tudo isso, para atender à demanda de todo o território nacional”, afirmou a diretora do DIAHV, Adele Benzaken.

Fonte: SPNotícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *