Celina Turchi: “Pesquisa em saúde pública não é luxo, é uma questão de segurança nacional”

Uma epidemia mudou a vida da médica e cientista brasileira Celina Turchi, pesquisadora da Fundação Osvaldo Cruz em Pernambuco. Em 2015, a professora aposentada do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás foi responsável por formar uma rede de pesquisadores de diversas especialidades reunidos no Grupo de Pesquisa da Epidemia de Microcefalia – MERG (Microcephaly Epidemic Research Group), que, em apenas três meses conseguiu identificar como o zika vírus e a microcefalia estavam relacionados.

A velocidade da resposta à crise de saúde pública que tomava o Brasil e ameaçava outros países fez com que a médica fosse reconhecida pela revista científica Naturecomo uma das dez cientistas mais importantes em 2016. A revista norte-americana Time também listou a pesquisadora em 2017 entre as 100 pessoas mais influentes do mundo.

Dois anos depois, a emergência nacional passou, mas deixou sequelas. Os casos até há pouco classificados como “incomuns ou inesperados” já contam com algum conhecimento científico para serem combatidos. O mais recente Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde mostra que, em 2017, foram confirmados 235 casos de recém nascidos e crianças com microcefalia e alterações no desenvolvimento relacionados à infecção pelo vírus zika. Número muito menor em relação aos 1.869 casos de 2016 e aos 967 casos de 2015.

As doenças transmitidas por insetos vetores (como zika, dengue, chikungunya e febre amarela) continuam no topo da lista de prioridade da saúde pública. Mas o aparente controle sobre a situação mantém Celina Turchi em alerta. “Nossa preocupação é que as pessoas se sintam seguras e achem que não vai ocorrer mais”, afirma. Turchi conversou com o EL PAÍS sobre os desafios de fazer pesquisa de epidemias no Brasil. A entrevista com a pesquisadora encerra o especial Mulheres na Ciência publicada pelo EL PAÍS em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

Pergunta. Como avalia as medidas tomadas pelo Governo federal para conter a epidemia de zika?

Resposta. O Ministério da Saúde, respaldado pela Vigilância Epidemiológica e pelos pesquisadores, foi o primeiro a instituir um estado de emergência, em novembro de 2015, entendendo a gravidade e o desconhecimento sobre o surto de microcefalia. Foi esse alerta que motivou o olhar de outros países e a declaração posterior de emergência de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde. Houve coragem do Brasil de dizer que havia um evento extraordinário e com potencial de ser importante, e houve uma mobilização da comunidade científica.

P. O tempo de resposta foi adequado?

R. Obviamente gostaríamos que acontecesse muito mais rápido, mas o Ministério da Saúde naquele momento, que também era um momento de crise política, época do impeachment da Dilma, tomou as medidas necessárias nesse estado de emergência para facilitar o trâmite dos projetos, alocar recursos, mobilizar as comunidades. Mas há muito o que ser feito e obviamente medidas setoriais, feitas só pelo Ministério da Saúde, são insuficientes para interromper a transmissão de doenças que dependem de boa habitação, limpeza urbana…onde os efeitos das condições de vida inadequada se refletem na possibilidade maior de transmissão.

P. Passada a emergência, já podemos falar que está tudo sob controle?

R. O número de casos reduziu, o que já era esperado. Tivemos uma primeira onda epidêmica que aparentemente foi muito intensa, e as pessoas infectadas previamente agora estão imunes. Mas temos casos mais esporádicos de crianças com síndrome congênita do zika e de adultos com alterações neurológicas [Síndrome de Guillain-Barré]. Isso indica que o vírus continua circulando no Brasil. Por isso, corremos o risco de ter novos surtos. O monitoramento deve ser mantido. Nossa preocupação agora é que as pessoas se sintam seguras e acreditem que não ocorrem mais riscos. Temos que ficar em um alerta constante, porque essas doenças são sazonais. Um exemplo disso é a dengue, que circula a mais de trinta anos com epidemias periódicas.

P. Quais os maiores desafios hoje?

R. O grande desafio do ponto de vista de assistência é um atendimento adequado não só para a infecção nas gestantes, e o acompanhamento das crianças que, se tem síndrome congênita de zika precisam de cuidados multiprofissionais – neurológicos, ortopédicos, gástricos, acompanhamento nutricional –, assistência e monitoramento. Mas existem ações que estão fora do controle da saúde, e que dependem muito mais de medidas de redução da desigualdade social como melhor moradia, urbanização, acesso pronto à água adequada. São questões do ponto de vista populacional, da saúde das cidades de uma forma geral, onde o desafio é possibilitar que a transmissão seja interrompida de forma permanente, seja através do melhor controle vetorial [uso de parasitas, patógenos ou predadores naturais para o controle de populações transmissoras, como o mosquito aedes aegypti], seja no desenvolvimento de alguma vacina que possa em curto prazo dar uma imunidade duradoura para a população.

P. Em que pé estamos para a produção de uma vacina contra o zika?

R. Há interesse internacional nessa vacina. Sou otimista de que teremos a vacinaem médio prazo, mesmo sabendo que ela tem que ser testada em laboratórios e na população. Por isso faço um apelo aos gestores públicos para que os recursos nessa área sejam mantidos ou aumentados.

P. Enquanto a vacina não vem, o que é possível fazer na prática?

R. Duas área que me parecem fundamentais. Primeiramente, pensar em um sistema de vigilância epidemiológica para arboviroses [doenças transmitidas por insetos vetores] de forma mais ágil e usando ferramentas mais modernas para captar o número de casos, como as mídias sociais. Outra medida é investir na manutenção e formação de recursos humanos em pesquisa. Sem a formação de novos pesquisadores, as respostas aos problemas e às perguntas na área da saúde ficam inviabilizadas. Esse é um investimento para garantir que a nação seja autônoma em relação a investigações de epidemias.

P. Como estão os recursos para manter pesquisas e o monitoramento da zika em meio a crise política e econômica?

R. Houve um esforço inicial de se colocar recursos em zika ou pelo menos nessas prioridades de saúde publica. Mas há uma sinalização de redução de recursos. Por isso é importantíssimo ressaltar que os recursos em pesquisa na área de emergência em saúde pública é mais do que recursos para o conhecimento, é uma questão de segurança nacional, de segurança das populações. Esse é um tipo de investimento que não pode ser cortado ou minimizado. Ele tem que ser mantido e ampliado. Pesquisa não é luxo, é necessidade e nessa área é uma questão de segurança nacional. Hoje compreendemos a epidemia de zika como grande tragédia social, mas também como uma oportunidade para os grupos de pesquisa colaborassem entre si e fizessem grandes consórcios para poder entender e possibilitar que medidas de prevenção e controle fossem adotadas de forma ágil. O país tem que estar preparado para eventos emergenciais e só através da pesquisa que se mantém grupos competentes que podem dar resposta em curto prazo.

P. Recentemente, várias cidades foram pegas de surpresa com a expansão da febre amarela, especialmente com o ressurgimento da transmissão urbana. Onde erramos?

R. Os cientistas não foram pegos de surpresa, havia muita preocupação com a expansão da febre amarela e da malária. O homem vai invadindo a floresta de forma desordenada, e essas doenças ficam mais propensas para transmissão urbana. A grande vantagem é que tem há vacina contra febre amarela e o Brasil não só fabrica essa vacina como tem grande experiência em vacinação em massa. Nas áreas de risco, Centro Oeste e Amazônia legal, já temos vacinação obrigatória. Mas temos que lembrar da complexidade em que vivemos. Estamos numa situação com mobilidade populacional intensiva em áreas de interface entre urbano, rural e parques, o que facilita a expansão de vetores. O desafio é ter cidades ou megacidades que não tenham tanta desigualdade e com um sistema de segurança para monitorar os vírus conhecidos e outros que ainda não conhecemos e que podem, eventualmente, montar um pano de fundo para outras epidemias.

Fonte: El País

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *